1ª etapa – Assisteo!

Um colega de faculdade que viveu 15 anos na Suíça enviou-me esta página:

http://www.forumenfermagem.org/forum/index.php?topic=3710.0

Contactei a Assisteo que no dia seguinte me contactou. A partir daí fui seguida pela Graziela a qual me aconselhou em todo o processo sobre meios de atingir o nível de francês desejado. Assim que vissem o meu empenho iniciariam o meu dossier de candidatura e começariam a traduzir toda a documentação e CV.

Apesar de ver o estudo da língua francesa como um investimento para o futuro, pretendia gastar o mínimo possível de dinheiro nesse processo…afinal eu não trabalhava e o curso já por si tinha sido um investimento de grande dimensão por parte dos meus pais.

Comecei a estudar sozinha, não optando pelo curso da Alliance Française. Após insistência dos meus pais aceitei que me pagassem explicações privadas, onde desenvolvi os meus conhecimentos teóricos, durante março, abril, maio e junho. Neste último mês aderi também ao spaafi, seguindo assim o conselho da Graziela, o qual é compreendido por uma equipa de profissionais bilingues que me forneceram aulas interactivas de francês através do Skype. Por cada aula de 30 minutos pagava 10 euros e apesar de parecer pouco tempo para tanto dinheiro a verdade é que sem esta equipa não teria conseguido. Forneceram-me vocabulário específico para profissionais de saúde e treinaram comigo não só a comunicação oral sobre situações habituais da vida quotidiana como ir às compras ou ao banco abrir uma conta bancária como também a entrevista de emprego.

Foram 4 meses intensivos, esgotantes mas ao mesmo reconfortantes…eram o meu plano B, o meu rumar contra a maré…contra esta crise que sobrevoa Portugal desde bem antes de eu nascer e que agora se intensificou de um modo inconcebível para o bem-estar dos portugueses.

  1. #1 by Patrícia on Outubro 22, 2011 - 12:40

    Olá,
    Foi com muito prazer que li o seu blogue….
    Perante isto, tive imensas questões e entendi que nada melhor que uma pessoa que passou por essa experiência para partilhar comigo algumas inquietações…

    Passados quase um ano, acha que não teria conseguido emigrar para a Suiça com a colaboração de uma empresa?
    Que contrato é que faz com a Assisteo?! Aconselharia a um amigo ir trabalhar para a Suiça? “Sozinho” ou com a ajuda da Assisteo?
    Qual foi o seu primeiro ordenado? E a integração na equipa, os colegas são receptivos? E a comunidade onde vive?
    Estas perguntas são feitas porque também eu sou enfermeira há 6 anos, farto-me de trabalhar e não vejo o meu trabalho reconhecido de nenhuma maneira. A crise instalou-se de uma tal maneira que agora sinto que se estava mal, as coisas tendem a ficar complicadas na nossa classe profissional. Limito-me a ganhar cerca de 1100 euros ou uns trocos mais, por mês. Faço mais de 40 horas por semana, e as horas são pagas com folgas quando o hospital lhe dá jeito. Não temos progressão na carreira e o futuro não vejo nenhum.
    Estou bastante interessada em emigra. Neste momento, por iniciativa própria, ando a frequentar um curso de francês.
    O meu objectivo passa por emigrar para a Suiça com o meu namorado (que é canalizador).
    Da sua experiência, acha que faço uma boa aposta? E o meu namorado, facilmente arranjará trabalho na sua profissão?

    Desejo-lhe as maiores felicidades e notícias breves!

    Obrigada _ Patrícia

    • #2 by sgouveia on Dezembro 22, 2011 - 00:28

      Olá Patrícia,

      vou responder pergunta a pergunta para ser mais fácil:

      Q:Acha que não teria conseguido emigrar para a Suiça com a colaboração de uma empresa?

      R:Talvez teria mas não era a mesma coisa. Esta é a verdade, se não tivesse ido através da Assisteo teria sido obrigatoriamente eu a concorrer a entrevistas e organiza-las num francês que ainda não dominaria, a ter de traduzir documentos ou a ter de pagar as suas traduções e mesmo que eu já fosse capaz de traduzi-los iria ter de pagar a sua autentificação…como a Assisteo não tive quaisquer custos, excepto o que disse respeito à aprendizagem do francês e as deslocações tanto para Lisboa para ter entrevista com a Assisteo no sentido de avaliarem a minha capacidade de comunicação através da simulação da entrevista de emprego em francês para que também a Assisteo percebesse se eu estava preparada ou ainda precisaria de mais algum tempo…e a deslocação à Suiça para estar presente nas entrevistas programadas e organizadas pela Assisteo a qual fez a ponte comunicativa entre mim e as instituições empregadoras.

      Q:Que contrato é que faz com a Assisteo?!

      R:Nenhum contrato que eu tenha conhecimento. A minha entidade empregadora é o hospital e não a Assisteo. E a questão óbvia que se deve estar a colocar: “Mas afinal quem paga à Assisteo, afinal não é nenhuma empresa de voluntariado?!” O que me foi informado é que é a instituição empregadora que se ocupa dessa tarefa não havendo qualquer prejuízo para o colaborador.

      Q:Aconselharia a um amigo ir trabalhar para a Suiça? “Sozinho” ou com a ajuda da Assisteo?

      R: Sim…visto ser um dos países que melhor paga a classe de enfermagem. Sendo o salário suíço superior ao proposto em Inglaterra e em França. Com a Assisteo pelas razões referidas acima.

      Q:Qual foi o seu primeiro ordenado?

      R:Foi o proposto no contrato. Julgo que se revelar aqui tudo já não há nada a desvendar quando se emigra para a Suíça. Assim permanece com a vontade de descobrir a resposta a esta questão.

      Q:E a integração na equipa, os colegas são receptivos?

      R:A integração foi a que qualquer profissional deseja ter quando começa a trabalhar seja no seu país de origem ou num estrangeiro. Contudo, é neste que damos mais valor quando somos bem recebidos. Tive uma semana de seminários onde o hospital se deu a conhecer aos novos colaboradores e deu a conhecer as regras suiças. A integração no serviço foi de três semanas com diferentes enfermeiros. Foi esta equipa que me foi ensinando o francês corrente, aquele que não se aprende na gramática francesa ensinada na escola ou aprendida nos livros. Ajudaram-me e compreenderam o esforço que eu estava a fazer. Contudo, é preciso ter sorte tal qual como em Portugal.

      Da minha experiência considero que faz muito bem em pensar em emigrar, visto o país estar na situação em que está e mesmo que não pretenda ser emigrante a vida toda é experiência profissional estrangeira. Na Suíça qualquer profissão precisa de um curso ou experiência profissional. Visto o seu namorado já ter experiência profissional as chances de conseguir trabalho são maiores. Mas se pensar em vir não deixe o trabalho que tem se o contrato que lhe propuserem for com data determinada…a ir que seja para uma situação segura porque vai largar um emprego que bom ou mau é garantido.

      O meu facebook é: https://www.facebook.com/profile.php?id=1483668266

      Cumprimentos,
      sgouveia

      Q:E a comunidade onde vive?

      A comunidade é pacata e simpática…há portugueses em todas as esquinas, da primeira diáspora. Mas apesar de estarmos num país diferente e pensarmos que os portugueses se vão unir e ajudar, muitos já me avisaram para ter sempre cuidado. Pelos vistos alguns já tiveram más experiências com pessoas da mesma nacionalidade.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: